OKR e Scrum: a combinação perfeita pra melhorar seus projetos!

Talvez você já tenha percebido que o Scrum é um framework cada vez mais popular por sua eficiência. O OKR é, também, um framework que pode ser usado para gerar mais valor para uma organização. Será que as duas ferramentas podem trabalhar em conjunto? Confira neste artigo.

Alvo amarelo e preto, com detalhes laranja e verde, e um dardo azul no centro.

Os Objects and Key Results (OKRs, termo em inglês que significa Objetivos e Resultados-chave), compõem uma estrutura que ajuda as organizações a definir objetivos. Esse framework pode ser uma poderosa ferramenta para comunicar um propósito de maneira clara, e também de rastrear resultados em uma base quantitativa.

O conceito dos Objetivos e Resultados-chave foi criado por Andy Grove, mas popularizado por John Doerr, um dos primeiros investidores do Google. OKR rapidamente se tornou uma ferramenta importante para o Google, e empresas como LinkedIn, Twitter, Dropbox, Spotify, AirBnB e Uber seguiram a tendência.

Sua popularização entre grandes organizações indica que, quando os objetivos de cada funcionário estão direta e claramente conectados aos objetivos mais amplos da empresa, eles se tornam repentinamente mais inspiradores e menos limitados. Os Objetivos e Resultados-chave dão suporte à uma meta, portanto devem ser mensuráveis, flexíveis, transparentes e ambiciosos. Na prática, são compostos pelos seguintes elementos:

Objetivos (O): Devem ser qualitativos. Apresentam uma direção concisa e aspiracional. Exemplo:

OKR1: Lançar incremento [X] para aumentar o engajamento.

Resultados-chave (KR): Metas quantitativas e mensuráveis, que impactam diretamente na conquista do objetivo principal. Geralmente, atribuem-se de 2 a 5 KRs para cada objetivo. Poderíamos, então, estabelecer:

KR 1.1: Entregar a versão alfa para feedback de teste de 10 primeiros clientes até a data: mm/dd/aaaa.

KR 2.2: Fornecer capturas de tela para dar suporte ao lançamento de marketing do aplicativo até a data: mm/dd/aaaa.

KR 1.3: Lance a versão beta até a data: mm/dd/aaaa.

Aqui, os Resultados-chave foram mensurados por meio da data, mas poderiam apresentar outras soluções que fossem medidas através de porcentagens e outros números, por exemplo.

Quais são as principais diferenças entre OKRs e Scrum?

A estrutura de objetivos e resultados-chave e Scrum são diferentes em das seguintes formas:

Objetivo

Scrum, em muitos casos, é para desenvolvimento de software ou outros projetos complexos, funcionando bem em qualquer escopo de trabalho que seja inovador. Objetivos e resultados-chave, no entanto, estabelecem a base para metas maiores, como aumentar o impacto geral de uma organização.

Tempo

Enquanto OKRs e Scrum enfatizam métricas com limite de tempo, OKRs são normalmente definidos em um período trimestral, enquanto o Scrum se concentra em um cronograma relativamente mais rápido para desenvolver produtos complexos.

Adaptabilidade

Os OKRs são universais e funcionam em qualquer lugar. Eles trabalham para todas as estruturas de empresas e organizações sem fins lucrativos, mas também para pessoas físicas. O Scrum, por outro lado, requer uma equipe. Existem funções claras e definidas, e uma equipe Scrum requer pelo menos 5 pessoas.

Quais são as semelhanças entre OKRs e Scrum?

Embora OKRs e Scrum sejam fundamentalmente diferentes, eles podem trabalhar juntos, pois compartilham os princípios básicos que todas as equipes devem valorizar para atender às suas metas e demandas diárias. Esses princípios são:

Transparência

Ambos os frameworks dependem fortemente do conceito de transparência. A transparência é um dos 3 pilares centrais do Scrum. Da mesma forma, os OKRs devem ser compartilhados com todos os membros da equipe para que todos fiquem na mesma página e possam encontrar seu papel e responsabilidade dentro da visão.

Oportunidade

“Nada nos move mais para frente quanto um prazo.” — John Doerr, “Measure What Matters”.

Ambos os frameworks enfatizam o tempo como um elemento central do processo. A oportunidade evoca uma missão compartilhada e uma cultura de responsabilidade entre a equipe.

Critérios de sucesso

Um traço comum que se encontra nos dois frameworks é a importância de ter uma imagem clara do que o sucesso indica. Eles medem os resultados com clareza. Em OKRs, por exemplo, o sucesso é definido pelo fato de os principais resultados terem sido alcançados ou não. Este é o indicador final de que o objetivo também foi alcançado.

Um projeto Scrum é finalizado quando todos os incrementos foram entregues. O Guia Scrum enfatiza a importância de cada membro da equipe ter um entendimento compartilhado do que “pronto” significa. Isso também aumenta a transparência entre a equipe.

Rigor

Embora os elementos de ambas as estruturas sejam diretos, o processo de definição de metas para ambas pode ser bastante rigoroso. O Guia do Scrum diz que a estrutura é “leve, simples de entender e difícil de dominar”. A implementação do Scrum requer o treinamento e o ensino do Guia do Scrum — e cada função tem seu próprio conjunto de habilidades especializadas.

Semelhante ao Scrum, os OKRs também são leves e flexíveis, mas podem ser difíceis de dominar. O processo de estabelecer e aprimorar em apenas 4–5 objetivos pode ser um desafio para uma equipe. As equipes também devem garantir que os resultados-chave estejam bem alinhados com o objetivo geral.

Conclusão

Os dois sistemas podem ser usados ​​em conjunto. Isso acontece porque os OKRs ajudam as equipes a articular as metas gerais de uma organização ou equipe, ou seja, mostra um panorama geral de um projeto, enquanto o Scrum equipa as equipes com uma espécie de microgerenciamento. Para que a combinação dos dois funcione, é importante que os projetos que estão sendo trabalhados pelas equipes Scrum estejam a serviço dos objetivos expressos nos OKRs.

Gostou desse conteúdo? Não esqueça de me seguir nas redes sociais: @adrianopontocafe e também aqui no medium.

Espero ter te ajudado, até a próxima!

CEO & Fundador da PMG Academy | MBA-FGV | Pós-Graduado Neurociência Educacional | Consultor de TI | Design Instrucional na https://www.pmgacademy.com

CEO & Fundador da PMG Academy | MBA-FGV | Pós-Graduado Neurociência Educacional | Consultor de TI | Design Instrucional na https://www.pmgacademy.com